As Long As You Love Me - Capítulo 10 - Party

2





Dizem que ficar apaixonado é como estar no céu e no inferno ao mesmo tempo.



– Não. – mordi os lábios nervosa recebendo um olhar de reprova da mesma. – Mas vamos lá. – sorri sem mostrar os dentes. Barbarah piscou pra mim antes de ligar o carro e sair cantando pneu.

Chegamos a tal boate que Justin e (S/N) estavam, ela não era grande, era uma boate normal. Bem sofisticada e cheia de detalhes nas paredes. Nós ainda estávamos no carro mas já se ouvia de lá de dentro a batida de uma música eletrônica que eu não reconheci. Barbarah pegou sua pequena bolsa de lado abrindo a porta do carro e saindo do mesmo, fiz o mesmo e dei a volta a encontrando. Trocamos um sorriso e andamos até a porta da boate. Que dizer eu andei, a Barbarah desfilou exibindo seu vestido cinza meio colado e estampado. Adentramos na boate com os olhares se direcionando a nós. Barbarah sempre chamou atenção, mas ela nunca foi todo aquele paraíso, ela não tinha aquele corpão. Porém era mais bonita e mais magra que eu.

Afastei meus pensamentos e olhei para Barbarah que mantia os olhos em um ponto fixo. Segui seu olhar e vi nada mais nada menos que Justin e (S/N) se beijando no camarote. Senti um ponto de inveja, pois eu queria estar no lugar dela. Aposto que não foi só eu que senti inveja.

Agora os olhos de Barbarah estavam “metralhando” o casal que sorria felizes dançando conforme a música. As bochechas de Barbarah estava mais rosa que o normal praticamente vermelho, e eu fiquei com certo receio de vê-la daquele jeito, não era o tipo de sentimento certo que eu teria naquele ocasião mas, eu era a amiga dela então se rolasse treta eu teria que separar e isso meio que é vergonhoso e com certeza não é uma coisa legal. Fomos até um canto da boate, pois segundo Barbarah ela iria esperar (S/N) dar uma brecha e então ela iria subir até o camarote e começaria seu show. As luzes da boate praticamente me deixavam cega e faziam minha cabeça girar. Não, eu não estava acostumada a vir a esses lugares e a muito menos beber. Sempre vinha obrigada pela Barbarah.

– Não se esqueça, beba com moderação. Não preciso nem avisar a você Lah.

– Relaxa. Eu só estou bebendo por que você também está, assim como todos desse lugar. – Barbarah fez um sinal negativo com a cabeça rindo do que eu disse.

– Eu comecei a beber assim. – disse depois de um bom tempo, me fazendo olhar para ela. – Eu sempre o via bebendo e então experimentei achando que era bom. Doce ilusão. – um sorriso amargo tomou seus lábios. – Por isso meus pais nunca gostaram de Justin, por isso eles nunca o aceitaram. Justin é minha influência, então se ele faz coisas que na visão de alguns são erradas, mas que eu sinto vontade de fazer obvio que meu pai e nem minha mãe iriam aceitar. Mas eu sempre gostei de Justin, mesmo que nós sempre brigamos por algo. – a olhei surpresa tomando mais um gole da minha Tequila.

– Acho que agora você entende porque estou aqui. – sorriu para mim. – Eu não quero perdê-lo. – deu de ombros.

Olhei para os lados tentando retirar tudo o que Barbarah disse sobre Justin. Eu não acredito nisso, eu nunca vou acreditar e nem aceitar. Ela é tão rude com ele. Mesmo que tenha suportado as brigas com seus pais por causa dele, isto não significa que ela pode ser rude com ele e pode descontar nele. Porque, quando uma pessoa ama verdadeiramente a outra não é essa as atitudes que ela toma.

Senti sua mão quente tocar meu braço.

– (S/N) acaba de deixar Justin sozinho. Vou lá. – assenti e Barbarah desapareceu na multidão.

Justin POV

Ao som de Eminem (S/N) dançava colada a mim. Sua bunda rebolava em meu membro e eu estava adorando a sensação de ter seu corpo tão perto de mim. (S/N) se virou pra mim colando nossos lábios. A beijei como se o mundo fosse acabar. Até porque ia se ela descobrisse quem sou eu. O que eu faço.

– Vou até o banheiro.

– Ok. Não demora. – sorri para a mesma e dei um tapa em sua bunda quando ela se virou sorrindo para mim mesmo.

Dei um gole no meu copo que contia Smirnoff. Virei-me depois de um tempo em direção ao banheiro, pois (S/N) tava demorando pra caralho mas, fui puxado.

Barbarah POV

Esperei um tempo e depois peguei um pedaço de pau que encontrei fora da boate o colocando na porta do banheiro feminino onde a tal garota estava. Logo depois a empurrei e ela não abriu. Sorri comigo mesma. Fui meio que desesperada até onde Justin estava, até porque não podia perder tempo. Esbarrei com ele e o puxei.

– Justin! Meu amor quanto tempo. – o agarrei e o mesmo ficou sem reação me olhando com o cenho franzido.

– O que você está fazendo aqui Barbarah? – disse ainda “assustado” com minha presença.

– Assim como você, estou dançando, tomando uns drinks – sorri levantando meu copo – e me divertindo. É bom te ver outra vez. Hmm, já sei. Que tal tomarmos algo? Hahaha, já estamos. Mas podemos sentar e conversar um pouco. Que tal?

– Ah – Justin tentou argumentar, mas eu não deixei e já fui o empurrando até o sofá vermelho escuro que tinha ali.

– Barbarah para com isso, caralho... – sussurrou. Peguei dois copos do famoso drink Lagoa Azul. Voltei meu olhar a Justin e o mesmo estava olhando para minhas pernas que estavam bem à mostra. Escolhi o meu vestido mais curto e colado. Ele ia até no meio das minhas coxas. Cruzei minhas pernas e Justin desviou seu olhar de lá.

– Então, por onde começamos? – dei sua bebida e sorri.

Lana POV

Dei o último gole em minha bebida colocando o copo na mesa do bar. Peguei meu iPhone para ver a hora. 2h02. Caralho, já tinha se passado duas horas desde que chegamos aqui, e uma hora e meia que Barbarah foi tentar acabar com o namoro de Justin. Ri dos meus pensamentos, mas parei no mesmo instante que minha bexiga deu sinais. Se eu não corresse pro banheiro eu iria fazer xixi ali mesmo. Merda. Tentei correr mais foi totalmente falho a tentativa. Ri novamente eu estava muito engraçada andando daquele jeito. Com a mão esquerda eu pressionava minha vagina para não fazer o xixi e com a direita eu usava para empurrar a multidão.

Quando eu finalmente cheguei até a escada eu comecei a ficar desesperada mas não parei em nenhum momento. Cheguei até o andar de cima e passei correndo para o corredor sem olhar para o lado esquerdo que era o que Justin estava com (S/N) à horas atrás.

Parei na frente do banheiro feminino e tentei abrir a porta mais tinha algo que simplesmente não deixava. Forcei minha visão e vi um pedaço de madeira ali. O que diabos aquilo estava fazendo ali? Revirei os olhos e o tirei daqui jogando o mesmo no chão e entrando agora correndo mesmo para dentro. Eu precisava fazer xixi logo.

(S/N) POV

Fiz minha higiene e depois retoquei meu batom laranja no espelho do banheiro feminino. Até que era bem higiênico para o banheiro de uma boate. Tentei abrir a porta, mas ela não abria. Comecei a ficar desesperada. Peguei meu iPhone e tentei ligar várias vezes para Justin mas ele não atendia. Tentei mais vezes abrir aquela merda, bati, gritei socorro mas foi tudo em vão. Quando minha garganta doía e já não sentia minhas pernas me sentei no chão esperando uma alma vir me salvar ou até mesmo Justin.

Olhei mais uma vez para meu iPhone para ver se Justin tinha visto minhas ligações mas nada. Fazia mais de uma hora e meia que eu estava dentro daquele lixo e o mais impressionante é que ninguém veio no banheiro, ninguém! Achei mais ainda pelo fato de que Justin nem atendeu minhas ligações. Caralho, que merda.

Ouvi um barulho na porta e me levantei imediatamente querendo ver o meu Justin entrando por aquela porta mas, se eu não estivesse puta de raiva eu até iria rir daquela cena. Aquela garota loira da escola entrou rapidamente indo até a cabine fazer sabe se lá o que. Eu até pensei que ela iria vomitar ou sei lá. Mas mudei de idéia quando ouvi o barulho de xixi. Sai que nem um furacão daquele banheiro e quando cheguei onde estava com Justin não acreditei no que eu estava vendo. Aquilo só podia ser um pesadelo.



MICHELLE OBAMA
PURSE ALL HEAVY GETTIN OPRAH DOLLARS
BO$$

CAPÍTULO BEM CAPRICHADO PRA VOCÊS DE MAIS DE MIL PALAVRAS COM VÁRIOS POV <33
Desculpa qualquer erro.

ENTÃO POVOS E POVAS, ESPERO QUE ESTEJAM GOSTANDO MESMO DE AS LONG AS YOU LOVE ME SAHUSAHUSAH, vocês nem esperam por o que vem por ai q
TRETAS A VISTA, MUITAS TRETAS

*Avisando que a Barbarah é a Selena Gomez tá gente.*

E OUTRO AVISINHO CHATO PAKAASSSS
(S/N) agora não vai ser mais Avril Lavigne e sim a Chanel Celaya. Sei que é chato trocar assim mas, foi preciso ;) então espero que não me odeiem nem nada disso please sauhsauhsa <3
Já troquei os gifs dos outros capítulos e tudo mais, podem ver nos outros capítulos, por isso demorei pra postar.
AHHHHHHHHHHHHH
E VOCÊS VIRAM A CAPRICHO DE DEZEMBRO? SOCORR, TO IN LOVE COM O PÔSTER DO JUSTIN E DO IAN (só comprei por causa do pôster do Justin u.u) A CAPRICHO ARRASOU MAIS UMA VEZ <3

Enfim, caso vocês queiram conversar comigo to sempre lá no meu twitter, sigo de volta as Belieber e crlh a quatro. Até o próximo capítulo BEIJOOOOSSS <33 e como falta 3 dias pro natal e não sei se eu vou voltar antes, FELIZ NATAL MINHAS GOSTOSAS E UM ÓTIMO ANO NOVO <3333333

tt: @SraBiebsMari
ask: ask.fm/MarielleOliveira20013
meu polyvore muito lindo: maahbelieber14.polyvore.com/

Continua?

Vestido da Barbarah: http://1.bp.blogspot.com/-5yZcVMwnGxM/T_DEp6EAB_I/AAAAAAAAAJo/B6TKHJ_6oXQ/s1600/tumblr_lu2z3ySF6n1qiuu3uo1_500.png

Seu look heuheuhueheuhe (ficou divo, eu sei): www.polyvore.com/cgi/set?id=143862099

I Fell In Love With A Criminal - Capítulo 19 - Distant

5



Tentei carregar o peso do mundo
Mas só tenho duas mãos
Espero ter a chance de viajar o mundo
Mas não tenho nenhum plano
Gostaria de poder permanecer jovem assim para sempre
Sem medo de fechar os meus olhos
A vida é um jogo feito para todos
E o amor é um prêmio

Então, acorde-me quando tudo estiver acabado.’’



Fui até o escritório de Justin e bati duas vezes na porta. Logo Chris abriu.

– Lily! – disse alegre e me deu espaço para entrar.

– O que quer Lily? – Justin perguntou quando já tinha entrado. Ryan estava deitado no sofá enquanto montava o cubo mágico e Chaz bebia algo que a meu ver parecia Whisky.

– Podemos conversar Justin? – pedi manhosa.

– Meninos saiam. – disse bruto, até me assustei, credo.

– Fale babe. – Justin se levantou de sua cadeira e sentou-se à mesa de frente para mim, me puxando pela cintura.

– Você é bipolar? – só podia, pra que falar daquele jeito com os garotos e logo depois falar calmo comigo? Só estou reclamando por parte dos garotos porque eu até gostei de Justin ter me tratado bem.

– Estou tentando ser legal com você, se eu te trato mal você fica reclamando. – disse grosso e rolou os olhos.

– Tudo bem, tudo bem. – sorri e ficamos em silêncio apenas nos olhando. Justin puxou mais minha cintura e colou nossos lábios. Justin me virou e deu impulso me fazendo sentar em sua mesa, abri um pouco minhas pernas e Justin foi deitando em cima de mim devagar...

3 MESES DEPOIS

Cada dia que se passava era um friozinho na barriga, era trágico saber que você está esperando um filho de um cara louco que mata pessoas. Ainda não sabia com o que Justin trabalhava, mas dificilmente ele ficava em casa. A minha salvação era Shay. Nem sair daquela porcaria de mansão eu podia, Justin tinha me privado de tudo. Ele nem me levar mais pra balada ou fazer festas na mansão ele fazia. Tinha dias que ele só chegava quatro ou mais horas da manhã como se nada tivesse acontecido. Enfim, estava tudo horrível, a sensação de saber que tinha um ser dentro de você era maravilhosa, mas só de lembrar que eu tenho que ficar trancada aqui, só com a empregada para conversar é horrível. Até os meninos pararam de vir aqui. Nunca mais vi Ryan, estava com uma puta saudade dele.

Já estava quase no meu quarto mês de gravidez, me sentia bem e realizada nessa parte. Já não sentia tanto enjôo e estava bem menos irritada. Mas como nem tudo na vida são flores, eu estava com meu abdômen doendo demais, se ficasse em pé doía, se sentasse doía, se ficasse deitada doía, se andasse doía. Isso porque estou só com quatro meses, mas minha barriga já estava bem grandinha. Shay estava bem preocupada  com minha alimentação, ela infernizou Justin até ele contratar um monte de médicos e nutricionista, eu estava ficando super gorda então aproveitei para pedir algumas “dietas” equilibradas que eu poderia fazer. E dormir era uma missão impossível, além de não sentir sono pela preocupação de onde Justin estava e que hora ele iria chegar, eu não conseguia dormir por causa de minha barriga que estava aumentando cada vez mais.

Terminei de tomar meu banho de banheira e peguei meus hidratantes. Passei meu protetor solar e depois me vesti, o dia estava gostoso e fresquinho. Abri a porta do meu quarto e desci as escadas devagar, me assustei encontrando Justin na cozinha tomando cereal em pé só de cueca preta. Que milagre encontrar ele em casa, acordado de manhã. Ele encarou minha barriga por alguns segundos e depois virou seu rosto. Dei de ombros e entrei completamente na cozinha indo em direção a geladeira, abrindo-a e procurando a caixa de suco. Peguei um copo e despejei o suco no mesmo.

– Bonito esse vestido. – Justin quebrou o silêncio.

– Ah, agora você tem boca? – respondi irônica ao seu “elogio” o vendo revirar os olhos.

– Lily... Sério, não me faça perder a paciência.

– Acho que quem deveria estar irritada aqui sou eu. Justin por acaso você acha que eu sou algum tipo de animal que precisa ficar presa?

– Está não é a minha intenção... – ele estava evitando olhar para mim.

– Você não pode ficar andando por ai com essa barriga enorme. Mas se é isso que está te incomodando então saia. – disse rude e saiu da cozinha. Soltei o ar e deixei o copo em cima da mesa indo atrás dele que estava deitado em seu quarto. Saudades de dormir com ele.

– Fala. – me olhou rapidamente e voltou sua atenção pra TV.

– Justin... – disse manhosa.

– Fala Lily.

– Sai comigo hoje? – Justin desviou sua atenção da TV me olhando com o cenho franzido.

– Porque eu sair com você?

– Porque você é o pai do meu filho! – choraminguei chateada. Justin não saia mais comigo.

– Sai com sua amiga. – deu de ombros ignorando o fato de ele ser pai.

– Por favor, Justin. Eu estou pedindo para você sair comigo não minha amiga...

– Eu to cansado Lily.

– No que você trabalha? – perguntei curiosa. Ele tinha uma mansão, carros luxuosos e caríssimos e eu não sabia aonde ele arranjava todo esse dinheiro.

– Eu... Não te interessa. – respondeu estúpido.

– Ok. Eu quero ter uma relação saudável contigo, então, por favor, não me faça ter que implorar para você sair comigo. – Justin bufou indo pegar uma toalha e entrando no banheiro.

Sentei em sua cama e fiquei esperando ele, logo Justin apareceu com a toalha cobrindo da cintura pra baixo mostrando aquela barriga dele que era coisa do paraíso. Mesmo estando grávida e gorda pra caralho eu sentia falta de transar com Justin. Até porque faz meses a última vez.

– Vamos. – senti o seu cheiro incrível tomar conta do meu espaço. Levantei-me e segui-o. Justin me levou até o shopping, não lembro a última vez que viemos a um.

O caminho até o shopping foi silencioso, quando chegamos Justin e eu fizemos compras no super mercado e depois comemos.

– Que vestido fofo. – sorri para a vitrine vendo um vestidinho rosa claro delicado. Justin me encarou e virou as costas indo atender a uma ligação. Dei de ombros e entrei na loja, uma das atendentes vieram me atender e estava cada vez mais encantada.

– Olá, posso ajudar? – perguntou simpática.

– Ahn, eu só estou olhando mesmo.

– Ah ok, mas se precisar estou aqui. – sorri assentindo. Voltei minha atenção para as roupinhas imaginando minha bebê vestida naquelas coisas pequenininhas. Limpei uma lágrima sorrindo boba.

– Lily? – ouvi sua voz rouca atrás de mim, me virei encontrando seu olhar.

– Oi. Vamos? Quem era no celular? – sai da loja antes dele.

– Negócios.

– Hum.

– Porque você estava chorando? – perguntou olhando para mim.

– Nada Justin. – desviei seu olhar.

– Você ta sentindo alguma coisa?

– Não.

– Então porque tava chorando?

– Não pode mais chorar? É crime agora. – disse entediada revirando os olhos.

– Não... É só que, você não tem motivo.

– É – respondi irritada cortando o assunto.

[...]

Depois de passarmos a tarde inteira e o finzinho de tarde no shopping fomos embora. O caminho de volta para casa, que não era tão longo, foi silencioso e totalmente sem brigas.
Quando chegamos Justin abriu o porta-malas e mandou seus seguranças pegarem as sacolas do carro e levarem até para o “nosso” quarto. Que já não era mais nosso e sim só meu.

Os segui e fechei a porta logo após deles saírem trancando-a. Despi-me ficando só de peças intimas quando ouvi alguém forçar o tranco da porta. Virei assustada e fiquei um pouco perto da porta, quando ouvi a voz de Justin.

– Lily? – suspirei aliviada e abri a porta ficando apenas com a cabeça para fora.

– O que você quer? – perguntei.

– Posso entrar? – Justin franziu o cenho.

– Eu estou indo tomar banho, me diz o que você quer.

– Eu quero voltar a dormir nesse quarto Lily, eu quero voltar a dormir com você.

Lambi os lábios e tranquei a porta de novo, peguei meu roupão e depois voltei à porta, abrindo e deixando Justin entrar.

– Depois eu quero conversar com você. – disse entrando no banheiro e mandando ele me esperar.

[...]

Eu vou matar o Justin. Desci as escadas indo até a cozinha procurando o mesmo. Ouvi o som de música do seu escritório, abri a porta com força fazendo Justin me xingar.

– Você não tem educação não porra? – disse nervoso arrumando uma carreirinha.

– Eu não tenho educação? VOCÊ não esperou eu terminar o meu banho pra gente conversar. – disse no mesmo tom que ele o fazendo soltar uma gargalhada.

– Que se foda.

– Nós precisamos ter uma conversa. – esperei ele dizer algo, mas ele continuou me olhando calado fumando – Justin.

– Que se foda. Que se foda essa conversa. Que se foda você. – suspirei. Ele estava drogado, e não sei se isso daria certo. Mas já passou da hora de termos essa conversa e isso está me tirando do sério.

– Não acho que a gente vai dar certo, se for pra você continuar saindo e voltando só pela manhã eu prefiro ter essa criança longe daqui. – terminei de colocar tudo para fora e olhei para Justin. Seu olhar tinha mudado de uma forma que eu já estava com medo só de olhar para ele.

– Retire tudo o que disse e saia daqui antes que o que você estava rezando para não acontecer, aconteça.


– Eu não quero retirar o que eu disse, porque é uma verdade. Eu não quero mais ficar aqui. Desculpa-me. – disse e virei às costas ouvindo um barulho ensurdecedor.



I'M BACK BITCHES HAHAHAHAHAHHAHAH

                                             

Então bbzonas, eu tava vendo que vocês pedem pra eu divulgar os seus blogs. Então si borá divulgar esses blog divosos <3333


eugostodeimaginebelieber.blogspot.com

mundomccann.blogspot.com.br

sonhadoraimaginebelieber.blogspot.com.br


imagine-belieberloove.blogspot.com.br (QUE PLAYLIST É ESSA GAROTA? TO APX, SCRR)

ADOREI TODOOOOOOOOOSSS OS BLOGS *O*
AHHH, eu leio TODOS os comentários viu (COMENTEM BASTANTE, ADORO COMENTÁRIOS IRRÁ)
BEIJO NA BUNDA <3

Love Bandit - Capítulo 21 - The End? / Agradecimentos

6




Kath POV

Lá estava eu em um bar rodeando meus dedos na beira do copo que contia Whisky, Justin irá me pagar por tudo. Disso eu juro.


Depois de tomar todo tipo de bebida e passar um vexame sai do bar tropeçando em meus pés. Abaixei-me sentando na calçada, o vento frio batia em meus cabelos me dando calafrios. Passei as costas de minha mão em meu olho borrando mais a maquiagem, peguei meu celular. 5h47. Suspirei e fiquei mais um longo tempo ali, ninguém iria me socorrer, pois ali não se passava nenhuma alma. Surpreendi-me quando um carro preto que não conseguia identificar qual era parou em minha frente, um cara saiu do carro e se sentou do meu lado falando coisas que eu não conseguia entender. Senti uma tontura horrível seguida de enjôo, vomitei um pouco logo sentindo a minha vista se escurecer.


– Você viu quem a trouxe? – ouvi uma voz distante.

– Não doutor.

– Ok. Deixe-a comigo, irei cuidar da mesma.

– Sim senhor. – uma porta se fechou. Abri o meu olho esquerdo e um cara de cabelos grisalhos estava de costas para mim vendo algo em sua prancheta. Assustei-me quando ouvi um tiro soar pelo quarto.

– Sai dessa cama merda, temos que fugir logo. – o homem que parecia ter atirado disse afobado.

– Quem é você? – tirei o soro e alguns fios.

– Agora o que interessa é te tirar daqui. – o mesmo abriu a janela e me olhou. – Vamos ter que pular.

Arregalei os olhos. Primeiramente como eu posso ter confiança nele se nem ao menos o conheço.

– Quem é você? – perguntei novamente fazendo o mesmo revirar os olhos.

– Confie em mim. – veio em minha direção e olhou em meus olhos passeando seus dedos macios por meu rosto. – Venha. Você tem algum lugar pra ir? – neguei com a cabeça. – Então, acho que nada mais pode piorar. Certo? – respirei fundo e corri até a janela. Passei metade do meu corpo e senti o forte vento fazer meus fios morenos voarem. Senti o mesmo segurar minha mão, sorri e passei a outra parte do meu corpo. Logo ele já estava do meu lado, dava para ver o trafego de carros. Molhei os lábios e me repreendi, mas logo dei um passo e mais outro, até que chegamos perto de uma escada.

– Ai – disse quando senti meu joelho ralar na escada quando estava descendo o mesmo.
– Cuidado. – aquele homem disse. Depois de um século conseguimos descer.

– Vai me disser agora quem é você? – perguntei mais uma vez só que mais esperançosa. O mesmo me olhou e então consegui analisar ele. Não devia ter mais de 26 anos e era muito mais alto que eu. O mesmo era cheio de tatuagens e não tinha o porte físico muito para atleta. Ele era magro. Usava alargadores nas duas orelhas e piercing no nariz. Ele era maravilhoso de rosto, tinha até feição de anjo.

– Travis. – deu de ombros.

– Certo... E da onde me conhece Travis?

– Te vi no bar e quis te ajudar, só isto. Ao menos nem sei seu nome.

– Oh sim... – me repreendi, Travis queria me ajudar e eu aqui agindo que nem uma idiota. – Meu nome é Kathryne.

– Lindo nome... É um prazer conhecê-lá Kathryne. – pegou em minha mão depositando um beijo ali.

– Posso te levar para casa... Kathryne.

– Ãhn, eu não tenho casa.

– Você...

– Não – disse rapidamente rindo – Não sou uma rebelde que saiu de casa e está se prostituindo nas ruas de Atlanta. Acontece que... que eu vim aqui para procurar uma vida melhor. Enfim, não tenho parentes aqui e ainda não tenho onde morar. Perdi o meu carro e eu acho que estou ficando louca. – fiz uma expressão cansada. Pois era como eu me sentia no momento. Cansada, desesperada, sem ter para onde ir. Como eu não pensei nisto antes?

– Calma você não está sozinha. Eu prometo que irei te ajudar. Eu também não tenho onde ficar, mas vou achar um jeito. – Travis me olhou nos olhos.

– Ok ok – sorri tímida.

– Eu vou te levar a casa de uma tia minha, ela vai te ajudar bastante. Agora vamos logo. – assenti seguindo ele.


E eu vi que era ali que começaria uma nova vida. Uma nova jornada. Em busca da felicidade.




Aeee depois de TANTOOOOO tempo vim aqui postar o último capítulo da primeira temporada de Love Bandit. Acontece que eu decidi (finalmente), fazer a segunda temporada! Já tem capa, falta só umas coisinhas daí fica perfeito!
Vale lembrar que vai mudar MUITA coisa. Vocês vão se surpreender já no primeiro capítulo. OLHA OS SPOILERS CARA***
Enfim *-* , só quero agradecer a todos que acompanharam Love Bandit. Ela foi o primeiro imagine que eu escrevi, nem era pra ter sido ela né, eu tava com ideias de outra. Mas do nada me surgiu essa ideia de escrever Love Bandit (nome bem tosco, não foi só eu que achei). E foi o primeiro imagine que eu termino e já começo a segunda tempo. ai que emoção HSAUHSUAHUSAHSA *-*
Mesmo não sendo a melhor que eu escrevo, LB tem um grande significado pra mim.
Agradeço de novo a vocês que me ajudaram (comentando) e com isso eu continuei. Juro que as vezes (que foram muitas) que eu demorei pra postar não foi por preguiça. Eu adoro escrever mas falta de tempo e criatividade me atrapalha de mais. Então acho que é isso, nos vemos na segunda temporada UHUUUUL.
COMENTEM! BEIJU NO CORAÇÃO <3